A venda de bens penhorados através da plataforma informática ‘e-leilões’ atingiu um valor total de mais de 930 milhões de euros desde que o sistema arrancou em maio de 2016, indicou a Ordem dos Solicitadores e Agentes de Execução.

Segundo dados da Ordem dos Solicitadores e Agentes de Execução (OSAE) fornecidos à agência Lusa, de Maio a Dezembro de 2016 a venda a partir desta plataforma rendeu 60.139.518,80 euros, tendo em 2017 o valor subido para 373.814.723,35 euros.

No ano passado, os bens transaccionados na plataforma chegaram aos 496.483.477,25 euros, o que totaliza 930.437.719,4 euros em quase três anos.

Em 2018 foram leiloados através desta plataforma 5.183 imóveis, 324 veículos, 385 equipamentos, 312 itens de mobiliário, 74 máquinas e 155 direitos.

Em 2016 haviam sido leiloados 587 imóveis, 15 veículos, 34 equipamentos, 37 mobiliário, 5 máquinas e 19 direitos e em 2017 foram alvo de leilão 3.218 imóveis, 146 veículos, 113 equipamentos, 218 mobiliário, 22 máquinas e 67 direitos.

Quanto ao número de leilões realizados, em 2016 (de maio a dezembro) foram 1.905 leilões, tendo em 2017 subido para 8.911 leilões e em 2018 quase duplicado o número de acções, somando 15.659 leilões.

De acordo com a OSAE, a plataforma www.e-leiloes.pt está a contribuir para “democratizar o processo de venda dos bens penhorados, garantindo mais transparência, eficácia e valores de venda mais justos”.

Mediante a utilização daquela plataforma da Justiça, qualquer cidadão pode, gratuitamente, apresentar propostas de compra de bens penhorados, bastando, para o efeito, autenticar-se na plataforma (recorrendo, preferencialmente, ao certificado digital do cartão de cidadão ou à chave móvel digital).

A OSAE salienta que o aumento do público-alvo deste tipo de venda tem permitido a valorização dos bens, o aumento das vendas e o incremento dos níveis de transparência, publicidade e celeridade, reforçando-se a garantia da defesa dos direitos dos intervenientes processuais.

Assim, o credor/ exequente recupera um valor superior e o devedor/ executado vê a sua dívida ser liquidada mais rapidamente e, em alguns casos, não só consegue liquidar a dívida, como ainda consegue ficar com o valor restante.

Fonte: “Diário de Noticias”

Portugal está entre os melhores destinos mundiais para investimento imobiliário. Investidores e figuras públicas estrangeiros procuram cada vez mais uma casa no nosso país. Franceses, brasileiros e chineses são os que mais se rendem aos encantos do nosso país, mas não só. Portugal está nas ‘bocas’ do mundo. Em 2016 foi notícia em vários meios de comunicação social a nível mundial, entre eles, a revista Forbes, o The Wall Street Journal, o The New York Times, o Globo ou o El País, entre muitos outros órgãos internacionais.

Não é por acaso que, segundo o Annual Global Retirement Index, da International Living (IL) para 2017, Portugal ocupa a 9ª posição no Top 10 dos melhores países para os estrangeiros viverem depois da reforma, sendo considerado um dos destinos mais atrativos para este ano. De acordo com o relatório, o nosso país atrai reformados devido ao baixo custo de vida, clima ameno, praias no oceano Atlântico e ao facto de muitos moradores falarem inglês.

Também a Christie’s International Real Estate divulga o ranking das 10 cidades mundiais a que se deve estar atento em 2017 pelas diversas características e propriedades de qualidade que possuem. As cidades de Lisboa e Porto estão entre as escolhas da mais prestigiada rede imobiliária do mundo.

Além dos atrativos relativamente ao clima, às belezas naturais e ao património, Portugal é ainda visto como um bom investimento para quem pretende comprar casa, devido aos baixos preços relativamente aos principais destinos da Europa ou mesmo dos Estados Unidos da América (EUA).

A conceituada revista Forbes considera Portugal um dos melhores destinos para investir em imobiliário de luxo, revelando que é uma excelente escolha devido aos preços baixos e aos bons retornos das rendas. Num artigo publicado no final de 2016, intitulado “Com cinco milhões de dólares o que poderia comprar em bens imobiliários em torno do mundo?”, os especialistas internacionais Greg Todora e Justin Petraglia, responsáveis da consultora internacional The Todora-Petraglia Team-Douglas Elliman, afirmam que as melhores propriedades de hoje podem ser encontradas em Portugal e no Panamá. O nosso país é uma excelente escolha porque os preços imobiliários são geralmente baixos e os rendimentos do arrendamento são elevados.
A mesma revista escreveu também que os 48% de eleitores britânicos que teriam preferido ficar na União Europeia querem investir em imobiliário na Europa e Portugal é um dos destinos preferidos.

Milionários investem em imobiliário português de luxo
Imobiliário de luxo é um investimento seguro para quase todos os milionários. Portugal é um dos destinos preferidos segundo o jornal norte-americano The New York Times. Na verdade, comprar uma casa com assinatura arquitetónica, uma boa piscina e vistas desafogadas são algumas das qualidades de uma casa de luxo pelas quais os milionários não se importam de pagar, mesmo com preços acima do mercado.

“Por que tantos cariocas estão elegendo Portugal como segunda casa”, foi o título do prestigiado jornal brasileiro O Globo em agosto de 2016, para explicar as razões por que muitos brasileiros se renderam aos encantos do nosso país e por cá ficaram a viver. Segundo o mesmo jornal, Aguinaldo Silva, Glória Perez, Cláudia Abreu, Fernanda Torres e Paolla Oliveira, são alguns dos nomes conhecidos que integram a cada vez mais extensa lista de proprietários na capital portuguesa.

Ainda num artigo publicado no El País-Brasil, o crescimento do turismo na capital portuguesa tem despertado o interesse dos brasileiros, que veem no nosso país uma oportunidade de investimento e devido a mudanças na legislação e à situação económica dos EUA, os brasileiros estão a trocar Miami por Lisboa na hora de investir em imobiliário.

Também segundo o TheMoveChannel, o principal site independente de imobiliário internacional, que avalia mensalmente o interesse a nível mundial dos investidores, Portugal esteve sempre no topo do ranking mundial para investimento imobiliário em 2016. Chegou a alcançar a 3ª posição atrás dos EUA e de Espanha, caindo em novembro para o 4º lugar e para o 6º no mês passado. Contudo, de acordo com Dan Johnson, director do TheMoveChannel.com, apenas seis países permanecem no Top 10 no final dos anos de 2015 e 2016, entre eles Portugal, assim como os Estados Unidos da América, Espanha, França, Itália e Tailândia.

Em 2017 já atingiu o 3º lugar em Fevereiro, ocupiu o 4º nos meses seguintes e agora está na 6ª posição mas sempre um dos preferidos dos investidores internacionais.

Ainda em Junho último, o portal de alojamento Nestpick, e divulgado pela revista norte-americana ‘Forbes’, coloca Lisboa como a 4.ª cidade do mundo mais acolhedora para os jovens.

O Deutsche Bank também tem Lisboa no ranking das melhores cidades para viver (15º lugar). Em Maio, o Porto chega ao top 20 do ranking europeu para turismo de negócios no na International Congress and Convention Association (ICCA) – ranking mundial. Portugal subiu dois lugares e fecha agora o top 3 da tabela dos países mais pacíficos do mundo, no relatório anual do Índice Global da Paz de 2017.

O nosso país está ainda no topo do ranking como um dos melhores destinos para comprar imobiliário em 2017, seguido pela Colômbia e República Dominicana.

Segundo a publicação Live and Invest Overseas a região do Algarve está em primeiro lugar da tabela, referindo que as propriedades na região mais a sul de Portugal se classificam entre as “melhores pechinchas da Europa … A longo prazo, a propriedade no Algarve manterá o seu valor graças a restrições à construção na orla costeira”.

O novo refúgio dos famosos

Além de todos estes lugares alcançados nos rankings mundiais, Portugal está a ser conhecido como um novo ‘refúgio’ de famosos que estão a comprar casa no nosso país. Madonna é um dos exemplos, já para não falar de outros que já há muito se renderam aos encantos portugueses como actor John Malkovich, os designers Christophe Sauvat e Christian Louboutin, o ex-futebolista francês, Eric Cantona e a atriz italiana Monica Bellucci, ou o Phil Collins, entre outros.

Fonte: www.Diarioimobiliario.pt